Seja Bem Vindo!

INFORMAÇÕES, CONTEÚDOS PARA SUAS AULAS, CURIOSIDADES E MUITO MAIS!!

Este ambiente virtual pretende orientar leituras e suscitar reflexões e debates. Seja bem vindo! Inscreva-se, participe, envie seus comentários. Dê sua opinião!
________________

domingo, 19 de junho de 2011

Filme: O garoto (The Kid) Charles Chaplin


 Veja também:  Tempos Modernos AQUI
Mais filmes completos: AQUI

Título Original: The Kid
Lançamento: 06 de fevereiro de 1921.
Gênero/Duração:Comédia / 68min
Direção: Charles Chaplin
Produção, Música e Roteiro: Charles Chaplin
Fotografia: Rollie Totheroh
Elenco:
Charles Chaplin .......... Vagabundo
Edna Purviance ........... Mãe do garoto
Jackie Coogan ............. o garoto (Jack Coogan)
Baby Hathaway ........... o garoto quando bebê
Carl Miller ................... pintor, o pai
Granville Redmond ..... amigo
Tom Wilson ……….... policial
Nelly Bly Baker ……...vizinha
Charles Reisner ……... Bully
Raymond Lee .............. outro garoto
Lita Grey ..................... anjo que flerta com o vagabundo (Lillita McMurray)

Sinopse
Uma mãe pobre e sozinha (Edna) abandona seu filho em um carro que pertence a uma família de posses. Depois de ver uma babá com uma criança, ela se arrepende, porém já é tarde, pois dois ladrões já levaram a criança; Estes, sem saber o que fazer com o garoto, deixam-no em uma rua qualquer.
O vagabundo vai passando e percebe um pequeno “pacote”, que julga ter caído de algum lugar. Vai em busca do “dono”, porém não encontra. Acaba levando o garoto para casa e, por falta de opção, decide cuidar dele. O garoto cresce, e torna-se seu companheiro, partilhando a pobreza e a comida.
A mãe do garoto se transforma em uma mulher rica, porém amargurada por não ter seu filho. Ela reencontra o pintor, pai do garoto, e conta o que aconteceu em sua vida. É fazendo doações às crianças pobres, que ela chega ao local onde seu filho vive. E sem que o saiba, encontra-se com ele.
O garoto fica doente, e o vagabundo chama o médico. Este, achando que a criança não vive em um local apropriado, chama a polícia, para que encaminhe o garoto para um albergue para menores. Levam o garoto, e a mãe finalmente, ao ler o bilhete que deixara na cesta junto ao bebê, tem certeza de que se trata do seu filho abandonado.
Sem dúvida alguma, o filme em que Chaplin conseguiu unir a comédia e o drama em sua maior perfeição. O momento em que o garoto é levado para o orfanato, e o vagabundo é preso por dois homens, enquanto escuta os gritos, é de uma comoção inatingível até então. Ele conseguiu passar sem nenhuma palavra, todo o sentimento embutido naquele momento tão triste.

Notas
- Chaplin levou quase um ano fazendo este filme, seu primeiro longa metragem.
- O filme custou 300.000 dólares, mas acabou rendendo 2.500,00 dólares, líquidos.
- Esse foi também, o primeiro filme em que ele permite dividir os créditos por um sucesso. Jackie Coogan foi, juntamente com Charles, o astro principal.
- Com este filme, entra em sua vida Lita Grey, que viria a se transformar na segunda Sra. Chaplin. Ao começar esse filme, ele estava se divorciando de Mildred Harris, que abortara seu primeiro filho.
- Este filme teve inspiração na própria infância de Chaplin, na Inglaterra. Ele também, como o garoto, foi para um orfanato, e sofreu a ausência de amor.
- Este filme foi sonorizado em 1937, com música de Henry Verdun. Em 1971 Chaplin compôs uma nova trilha.
- A imagem do garoto e do vagabundo sentados numa soleira de porta é a mais reproduzida em todo o mundo, até hoje.
- Segundo Jackie Coogan, os métodos de Chaplin para colher uma interpretação dele eram no mínimo curiosos: para a cena em que ele precisou que o garoto chorasse (ao ser levado para o orfanato), Chaplin o levou para um canto e contou que seus pais lhe levariam realmente para um orfanato. O garoto começou a chorar. Pronto, estava preparado.
- Jackie Coogan, depois do filme, transformou-se em um ator requisitadíssimo. Uma das primeiras estrelas mirins do cinema. Casou-se com Betty Grable e afastou-se das telas. Depois do sucesso, já mais velho e careca, ele fez o Tio Fester, da Família Adams.
Postar um comentário

Você poderá gostar também de: